Brincadeiras entre pais e filhos: a agenda do papai Caio


Volta e meia abrimos espaço aqui para os papais contarem sobre seu cotidiano de brincadeiras com os filhos. Isso porque a gente acredita que os homens também se interessam pelo desenvolvimento dos filhos e estão mais abertos à criação do vínculo afetivo. Especialmente por meio das brincadeiras. Quem nos dá seu depoimento hoje é o Caio Dervage, pai da Clara, de 6 meses, e do Rafael, de 4 anos. Preparador físico que trabalha em um hospital com adolescentes obesos. Ele entrou em contato com o Tempojunto para contar sua experiência e ajudar a incentivar os pais a tomarem a iniciativa de brincar com os filhos.

Brincadeiras entre pais e filhos - papai Caio

O que mais chamou a atenção na rotina dele com o filho é uma tabela com a programação das brincadeiras da semana. Acompanhe.

Caio explica um pouco sobre como é o cotidiano da família: “O Rafael tem 4 anos, e no período da manhã fica na companhia da minha sogra e da sua irmã Clara de 6 meses. No período da tarde vai para o colégio e retorna para casa por volta das 17h20, cheio de energias. Eu chego às 18:00. No bairro que moramos Rafael não tem amigos, e isso me fez perceber a importância de realizar atividades com meu filho.”

Uma coisa que Caio percebe é que os pais até sabem o que é brincar, quais brincadeiras existem. Mas a agenda do adulto pode ser um empecilho. Foi então que ele decidiu organizar seus horários para estar mais perto do Rafael.

“O ponto inicial foi fazer um cronograma participativo (eu e ele) partindo da nossa realidade. Pensamos em quais materiais tínhamos disponíveis, que ambientes e espaços poderíamos utilizar e o que poderíamos criar”, conta. O resultado inicial foi este:

Materiais: Bola, bicicleta, skate, pião e corda.
Ambientes/ Espaços: Área de Lazer do condomínio, rua e praças.

“Partindo destes dados, organizamos as atividades com uma tabela”, explicou.

Brincadeiras entre pais e filhos - Tabela de atividades

Não ficou bem legal?

“Nas atividades ficamos média de 30 a 60 minutos juntos. As brincadeiras me fizeram aproximar-me mais do Rafael, ensinar e aprender, colaborar com a qualidade de vida, ensinar valores”, afirma Caio. Ouça como também o vínculo tem sido construído.

Caio conta que até o ciúme da irmã, que é normal para a idade, diminuiu com o companheirismo do pai. “Percebo que os pais acabam esperando a iniciativa das mães para passar um tempo com os filhos. Mas nós também podemos brincar e estar juntos”, afirma.

O recado final vai para os pais. “Se você perguntar a uma criança o que ela mais gosta de fazer ela vai dizer que são as brincasdeiras entre pais e filhos”, diz Caio, com a experiência de quem trabalha diariamente com crianças, muitas em dificuldades sociais. “Se não há vagas em espaços públicos, veja em casa quais os recursos disponíveis, separa um tempo, mínimo que seja, e brinque.”

No dia 17 de outubro, Caio estará coordenando uma corrida em prol da saúde das crianças pelo Centro de Recuperação e Educação Nutricional – Cren, na unidade de Vila Jacuí. Bom para programar um tempojunto entre pais e filhos, que tal? O Cren é uma instituição bem legal, que apoia a educação para a boa alimentação de crianças e tem o suporte de institutos como Unicef, o Alana, o Ashoka e Aliança pela Infância.

E se você não quer perder nenhuma outra dica do Tempojunto, inscreva-se na nossa Newsletter. É gratuito!

1 comment

Comente
  1. 1
    HMS

    Parabéns Caio, pelo incentivo aos demais pais, tios, mães, avós. Parabéns por valorizar e estimular este vínculo com seus filhos, desenvolver habilidades esportivas, lúdicas, etc… Percebo que muitas crianças sentem falta deste tipo de vínculo com os pais, ficando muito mais tempo do que deveria na presença da televisão, computador, celular. Que a Corridinha do 17 seja um sucesso.

+ Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.