A importância do brincar: Marcos Piangers, o Papai é Pop e sua versão da brincadeira

A importância do brincar: Marcos Piangers, o Papai é Pop e sua versão da brincadeira


Marcos (Daniel) Piangers costuma dizer que quem o ensinou a ser pai foram as filhas, Aurora e Anita, e a esposa Ana Cardoso (a Mamãe é Rock). Isso porque ele não conheceu seu pai. Esta experiência de se tornar pai, de um jeito muito participativo e inconformado com os homens que acabam se afastando da paternidade por vários motivos que dariam um outro post, ele coloca nas redes sociais e nos livros da série Papai é Pop. 150m mil livros vendidos e mais de 1,5 milhões de fãs no Facebook depois, ele é um fenômeno porque alcança o âmago de muita gente – homens e mulheres – em busca de mais equilíbrio na família e com os filhos. O Piangers conheceu o Tempojunto mais ou menos na mesma época em que conhecemos o Marcos Piangers. E o link foi inevitável, porque se ele aprendeu a ser pai, depois de adulto, com a brincadeira é diferente: ele a traz consigo desde criança e coloca na dinâmica da família desde sempre.

Seminario Maes_Foto_Gustavo Andrade300_editado

Foi no encontro que tivemos por conta do Seminário Pais e Filhos Mãe Também é Gente que surgiu o convite (óbvio, né? Como não pensamos antes?!) para esta entrevista especial da série Importância do Brincar. Aproveite, porque ele além de pop é fascinante e tem uma clareza rara do valor da paternidade.

De cara, eu pergunto sobre o brincar e como era a brincadeira do Marcos quando era pequeno. Inventividade é a palavra que ele lembra para descrever a brincadeira que mais fez parte da sua infância, em Florianópolis, onde nasceu. “Eu tinha esta capacidade de inventar a todo momento mundos paralelos, personagens diferentes todos os dias”, ele conta. E este “brincar de imaginação”, como eu chamo aqui em casa, a capacidade de criar mundos e universos paralelos é algo que ele faz questão de não perder dos tempos de criança.

Você brinca com suas filhas? foi a pergunta que eu fiz. Nem precisava né? Mas a resposta do Piangers é muito mais que um simples sim e não. Ele explica como o brincar entra na rotina e como os pais (aqui, pais mesmo, o gênero masculino) se beneficiam da brincadeira. “Quando a rotina é ‘gamificada’ (transformada em jogo) fica muito mais fácil para a criança fazer estes trabalhos mais chatos do dia a dia”.

Aproveitando que o Piangers naturalmente brinca com as filhas, Anita e Aurora, eu quis levantar o tema da diferença de gêneros, mas sob o ângulo do tipo de brincadeira que os pais fazem, comparados com as mães. Brincadeira de pai é diferente da brincadeira de mãe? Como você vê o gênero delineando o brincar? “A Ana (Mamãe é Rock) já deixou claro que ela não gosta de brincar. Ela participa de outras maneiras da vida das meninas. E eu acho ótimo que ela possa tirar este fardo das costas dela”, explica Piangers. Pois é. Mãe não precisa mesmo dar conta de tudo. Quando a gente “abre mão” de atividades que as pessoas classificam como “de mães”, os pais ganham espaço para estarem presentes.

Credito Gisa Sauer05_editada

A “salvação” do shopping

“Quando você passa pelos momentos ruins, os bons ficam ótimos”, conta Piangers quando assunto é a participação do homem em todos os momentos dos filhos. Na opinião dele, além do fator óbvio que a educação e cuidados dos filhos são função tanto do pai, quanto da mãe, quando o homem está presente nas atividades do cotidiano com os filhos, sua própria vida se torna melhor. “É uma experiência que precisa ser vivida”.

Entretanto, Marcos também lembra que a esposa e as filhas é que o ensinaram a ser pai, cobrando e incentivando. “Talvez não seja tão natural para o pai de primeira viagem. A gente precisa se esforçar para aprender”,conta. Ele explica, por exemplo, que quando se via com a primeira filha pequena em casa, ele ia para o shopping com ela, por ser um ambiente “seguro, com atividades para as crianças”.

Então, perguntei Quando percebeu que podia brincar com as filhas? E a resposta na verdade é uma reflexão sobre a relação do homem com a paternidade.

“Quando você consegue criar um ambiente de brincar e de proximidade com seu filho em casa. E ver um bebê rindo de algo que você fez é deslumbrante para o pai”.

As empresas precisam do adulto brincante

Piangers também faz palestras no mundo corporativo sobre criatividade, mudança e novas formas de trabalho. Então ampliamos um pouco a entrevista, para falar do brincar do adulto. Na abertura do Papai é Pop 2, Marcos usou um trecho do livro Cat’s Cradle de Kurt Vonnegut Jr. (1968) “Eu nunca parei de me deslumbrar como uma criança de 8 anos de idade indo para a escola em uma manhã de primavera”. Este é o ângulo do adulto brincante que a gente fala. “A criança é um cientista”, e esta curiosidade, a forma como a criança vê o mundo é importante também para a vida adulta, para o profissional. “A inventividade, a capacidade das crianças de dar novos significados para as coisas, de resolver as situações com criatividade são características que as empresas buscam nos profissionais hoje”, conta nosso entrevistado.

Ele também destaca que as startups hoje refletem este sucesso de empresas que lidam com os negócios e projetos corporativos de forma mais “brincalhona”, mais leve. “Se um chefe presta atenção no seu funcionário como aprendemos a prestar atenção na criança brincando, a relação é muito melhor”, conta. Acompanhe neste trecho da entrevista.

Foi uma delícia a entrevista com o Marcos Piangers. O papo completo em vídeo, você pode ver no nosso canal no Youtube.

Para encerrar vai a nossa pergunta de sempre: Brincar é? “Estar lá”, responde o Papai é Pop.

Todo mês tem um especialista que conversa com a gente sobre os mais diversos aspectos da importância da brincadeira. Se você não quer perder e também nossas dicas de brincadeiras, inscreva-se na nossa Newsletter. É gratuita e você não perde nadinha aqui do Tempojunto.

*Marcos Piangers é pai em tempo integral. Nas horas vagas, trabalha com comunicação jovem e plataformas digitais no maior grupo de mídia do sul do Brasil. Nascido em Florianópolis, em 2006 se mudou para Porto Alegre, de onde participa do programa Pretinho Básico, um fenômeno de audiência e ganhador do prêmio Melhores 2014 do iTunes da Apple. Seus vídeos na internet têm mais de 30 milhões de views. Já deu aulas sobre humor e pensamento criativo. Mas nada o define mais do que dizer que é pai da Anita e da Aurora. Tem o plano de ter uma filha a cada sete anos, até ter a primeira neta. Suas filhas e esposa são contra este plano.

Crédito da capa: Gisa Sauer

Crédito das fotos internas do post: Gisa Sauer (brincando com as filhas) e Eduardo Andrade (portrait)

+ Nenhum comentário

Deixe seu comentário


E aí, o que você achou?