Meu primeiro experimento de ciências

Meu primeiro experimento de ciências


Você já ouviu falar na expressão STEM? É o acrônimo de 4 disciplinas fundamentais para aumentar a competitividade dos indivíduos no mundo de hoje: S de Science (ciências), T de Technology (tecnologia), E de Engineering (engenharia) e M de Math (matemática).

Eu seeeeeei que a gente vive falando aqui que não podemos concentrar o desenvolvimento das crianças nas habilidades cognitivas, e que o social e o emocional também são fundamentais para a formação de um adulto capaz de desenvolver todo o seu potencial. Mas isso não quer dizer que a gente não reconheça como é muito importante fazer, por exemplo, experimento de ciências com as crianças deste cedo para que elas despertem a curiosidade para este assunto.

Acho que a primeira vez que parei para prestar a atenção sobre o assunto de estimular o gosto das ciências pelas crianças foi numa palestra com o astrofísico Neil Degrasse Tyson. Ele falou sobre o quanto os pais em geral se preocupam em colocar os filhos desde cedo em escolas de idiomas e de música, mas poucos se interessam por colocar as ciências no cotidiano dos filhos. Eu vesti a carapuça e resolvi fazer algo a respeito.

Desde que assisti a palestra do Neil Degrasse, passei a fazer experimentos com a Carol. A Patcamargo também faz com os filhos delas em casa. Alguns deles podem ser vistos no post 10 experimentos para fazer com as crianças.

10 experimentos para fazer com crianças_Capa

Mas e com as crianças pequenas? Quando é a hora de fazer o primeiro experimento de ciências? Eu estava pensando nisso quando a Gabi chegou dizendo que tinha feito um experimento com cores na escola. Ela tinha 3 anos e 9 meses na época. Ou seja, ela tinha gostado tanto que até tinha adquirido um termo novo para o seu vocabulário. Não tive dúvidas: hora de brincar de ciências com a Gabi. Não que ela não tenha feito isso antes, como na brincadeira com tinta de espumar de barbear. Mas seria a primeira atividade oficial nessa área.

A brincadeira escolhida foi: Afunda ou Flutua?

Para fazer essa atividade você vai precisar de uma bacia e vários objetos e brinquedos de diferentes tamanhos e pesos. O ideal é que a criança ajude na escolha dos objetos.

Meu primeiro experimento de ciências - materiais

Encha a bacia de água e coloque os objetos do lado. Peça para a criança ir colocando um objeto de cada vez e observar o que acontece com cada objeto.

Meu primeiro experimento de ciências - gabi colocando os objetos

A Carol estava por perto e resolveu conversar com a irmã para mostrar qual era a diferença entre os objetos que afundavam e os que flutuavam.

Meu primeiro experimento de ciências - gabi com a carol

A Gabi chegou a pensar que os objetos pequenos flutuavam e os grandes iam para o fundo da bacia. Mas ela logo percebeu que isso não era verdade, já que alguns objetos pequenos afundaram.

Meu primeiro experimento de ciências - gabi vendo a bacia cheia

Daí pudemos falar dos conceitos de leve e pesado. A Gabi gostou tanto que quis tirar o conteúdo todo da bacia e fazer tudo de novo, para confirmar se os objetos teriam o mesmo comportamento. Esta repetição da atividade é fundamental para que as crianças absorvam os aprendizados da brincadeira.

Meu primeiro experimento de ciências - gabi comecando de novo

O legal é que até hoje, passadas várias semanas, cada vez que ela vai brincar na piscina ou na banheira, faz questão de levar alguma coisa que possa jogar na água para ver se afunda ou flutua. Não é o máximo?

Bom, essa foi a nossa sugestão de atividade de hoje. Espero que você tenha gostado. Se sim, aproveite para se inscrever na nossa lista de email. Você vai receber toda semana nossa newsletter com tudo, tudo que publicamos aqui no blog e ainda algumas informações exclusivas!

2 comentários

Deixe seu comentário
  1. 1
    Celia Regina Carbone

    Vi na foto uma menina sentada com as pernas na forma de W. Não coloquem fotos com as crianças sentadas nesta posição, pois vocês estarão dando um péssimo exemplo.

    Sentar nesta postura, trás um grande mal para a coluna vertebral e o desenvolvimento das crianças.

    • 2
      Patrícia Marinho

      Oi Celia,
      Você tem toda razão. A Gabriela tem tendência a sentar na posição e eu sempre corrijo. Nesse caso, tirei a foto antes de fazer a correção. Obrigada pelo alerta.
      Patrícia

+ E aí, o que você achou?