Como estimular o movimento de pinça do bebê


Conseguir pegar objetos usando o dedo indicador e o polegar é uma conquista muita importante para o desenvolvimento da coordenação motora fina das crianças. Várias tarefas, como a capacidade de escrever e recortar virão, mais tarde, desta conquista. Por isso, hoje eu vou escrever sobre como estimular o movimento de pinça do bebê através de brincadeiras.
Se for parar para pensar bem, eu sempre tenho feito atividades que estimulam este movimento, desde o Quadro Sensorial que a fiz para a Gabi quando ela tinha seis meses, até a brincadeira com post-it no cadeirão, que ajuda a distraí-la para que os adultos almocem. A novidade é que esta foi a primeira vez que fiz uma atividade intencionalmente pensando neste movimento.
Você leu o post sobre as Garrafas Sensoriais para bebês? Pois bem, desde que fiz as garrafas elas fazem parte dos brinquedos da Gabi. Como ficar apenas olhando e chacoalhando a garrafa começou a perder a graça, resolvi usar uma delas, a de pompom, para fazer outra atividade. Eu simplesmente abri a garrafa, derrubei os pompoms no chão e nem precisei mostrar como colocar de volta. Assim como na brincadeira com o algodão, que também estimula o movimento de pinça, porém meu foco era o colocar e tirar do pote, explorando a coordenação olho/mão, a Gabi soube imediatamente o que fazer.
Como estimular o movimento de pinça do bebê - gabi colocando pompom
Ela ficou super concentrada e quis repetir a brincadeira nada mais nada menos do que três vezes!
Como estimular o movimento de pinça do bebê - brincadeira com pompomComo estimular o movimento de pinça do bebê - pompom no chão
O legal é que, nessa brincadeira, dá para trabalhar bem outra coisa muito importante que são as cores. Ao longo da atividade eu vou falando “Pega a azul, Gabi!” ou “Que legal, você escolheu a verde!”. Faço o mesmo com as outras brincadeiras ao longo do dia e, aos poucos, elá está reconhecendo as cores, principalmente azul, amarelo, verde e vermelho.
Como estimular o movimento de pinça do bebê - pegando o pompom
É isso. Em breve vou escrever sobre o primeiro contato da Gabi com massinha.

Se você gostou dessa dica e não quer perder nenhuma novidade do Tempojunto, faça parte do nosso grupo da newsletter. É gratuito e você recebe nossas atualizações semanalmente em seu e-mail.

7 Comments

Comente
  1. 3
    sandra

    Parabéns. adorei as ideias em especial aquelas para os bebes que agente fica tão indecisa. adorei tb que suas filhas participam. maravilhoso….

    • 7
      Patrícia Marinho

      Olá Marina,

      Entendo perfeitamente a sua preocupação. A fase oral é preocupante mesmo. Eu segui uma vertente montessoriana / reggio emilia de trabalhar a autonomia das crianças. Desde pequena fui observando a relação da minha filha com os objetos, o que ela levava ou não na boca e também a sua capacidade de deglutição. Quanto mais eu percebi que ela conseguia deglutir bem alimentos sólidos e como ela lidava com os engasgos provocados por comida, mais fui estendendo a oferta de objetos considerados “arriscados”, como grãos. E sempre com uma supervisão muito cuidadosa por perto. Tudo aos poucos. Então a idade para começar a oferecer as brincadeiras depende muito da criança, do seu bível de observação e da segurança em saber o que a criança consegue ou não fazer.

      No caso da brincadeira do post, minha filha tinha cerca de 1 ano e 2 meses. Nesta idade ela já se interessava mais em brincar com o objeto do que colocá-lo na boca. E também já conseguia responder bem quando eu falava “na boca não, isso não é papá”. Ela simplesmente não levava à boca o objeto questão e ficava concentrada em fazer a atividade.

      Espero ter respondido!
      Beijos (e desculpe a demora!)

      Patrícia

+ Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.