Dicas para incentivar o bebê a andar


Desde cedo a Gabi demonstrou seu gosto por ficar em pé. Ela aprendeu a engatinhar, mas logo preferiu buscar apoio para se locomover andando. Por conta disso eu dei uma pesquisada no Pinterest e no Instagram, especialmente no perfil da @mamaecriaebrinca e acabei encontrando dicas para incentivar o bebê a andar. Adotei várias e hoje em dia falta pouco para a Gabi andar sozinha.

Vale dizer que todas essas atividades só foram feitas depois que a Gabi já tinha passado pelos estágios anteriores do desenvolvimento motor, que você pode conhecer e acompanhar na séries de posts sobre o Desenvolvimento do Bebê. Nada de antecipar passos e querer que a criança ande antes da hora, ok?

1. Coloque objetos no sofá

Quando você coloca brinquedos ou outros objetos interessantes no sofá, a criança consegue visualizar e tem o estímulo para se levantar e pegar. Com a vantagem de que o sofá não tem quinas e por isso o bebê não vai correr o risco de se machucar. Essa dica fez parte da série Desenvolvimento do Bebê e a gente pode começar a fazer quando percebe que a criança já tem força para se sustentar nas pernas.

2. Aumente a distância dos objetos

O bebê conseguiu ficar em pé com apoio no sofá? Então você pode começar a mover os objetos para fazer o bebê se deslocar

3. Sustente o corpo do bebê

Quando a criança começa a se soltar, mas ainda se desequilibra muito, você pode improvisar um apoio com a fralda. Com isso você protege a sua coluna e ainda permite que o bebê tenha confiança de experimentar novos movimentos e distâncias

Dicas para incentivar o bebê a andar - Gabi andando

Para fazer a faixa nós dobramos uma toalha fralda na diagonal e amarramos no peito da Gabi, com cuidado para não pressionar demais as axilas. É só dar um nó e pronto. Dicas para incentivar o bebê a andar - nó no pano para a gabi andar

4. Estimule o uso do pé Para isso as brincadeiras com bola são sensacionais. É só falar o “Chuta a bola, Gabi” que ela sai feliz da vida segurando nas mãos de quem estiver por perto e chutando com gosto suas bolinhas

Dicas para incentivar o bebê a andar - gabi chutando a bola

Eu vou publicar ainda várias atividades para ajudar no desenvolvimento do bebê. Se você não quer perder nada, que tal fazer parte da nossa lista de envio de e-mails? A Newsletter Tempojunto é semanal, gratuita e traz todos os posts que fizemos.

15 Comments

Comente
  1. 5
    Jakim

    Gosto muito de muitas das dicas, excepto esta, que poder-se-ia chamar “5 dicas para criar problemas nas pernas e coluna do seu filho” ou “5 dicas para obter o mesmo efeito da aranha/andarilho”. Continuamos com pressa para que os nossos filhos sejam os primeiros a andar, ler, bater no colega de escola, entre outros motivos de orgulho dos pais. Estimulamos a ultrapassar etapas essenciais para fortalecer a coluna, sem os deixar passar pelo virar, elevar o pescoço, rastejar, elevar a tronco, gatinhar até um objeto para puxá-lo a fim de ajudar a colocar-se de pé, agachar, andar, etc. Bem-vindos ao mundo das pernas arqueadas, lateralização de pés e futuros problemas de coluna.

    • 6
      Patrícia Marinho

      Olá Jakim,

      Muito obrigada pelo seu comentário. Você está coberto de razão. Esse post é posterior a uma série chamada Desenvolvimento do Bebê, em que, com a ajuda de uma fisioterapeuta, explicamos como se dá o desenvolvimento motos da criança, da cabeça para o pé, e quais são os marcos do DNPM que devemos acompanhar para saber como estimular a criança adequadamente em cada fase. No entanto, nesse post que você comentou especificamente, não falamos sobre isso e uma pessoa que não acompanhe o blog pode achar que pode fazer as brincadeiras antes da hora e causar exatamente os problemas que você menciona. De forma alguma queremos antecipar estágios ou provocar problemas de desenvolvimento. Tudo o que a gente defende é a estimulação adequada, não precoce e nem a pressa. Especialmente considerando que cada criança tem o seu ritmo.

      Acabei de editar o texto para incluir a seguinte frase:
      Vale dizer que todas essas atividades só foram feitas depois que a Gabi já tinha passado pelos estágios anteriores do desenvolvimento motor, que você pode conhecer e acompanhar na séries de posts sobre o Desenvolvimento do Bebê. Nada de antecipar passos e querer que a criança ande antes da hora, ok?

      Jakim, caso você tenha interesse em conhecer a série sobre o desenvolvimento do bebê e deixar opiniões por lá, o link é: http://www.tempojunto.com/2015/03/22/7-dicas-para-estimular-o-desenvolvimento-do-bebe/

      Obrigada,
      Patrícia

  2. 7
    Marlene

    Adorei as dicas ,sou avó de uma garotinha: chamada Alycia ,eu quem cuido dela , e para mim era o que eu precisava para ajuda- la em seu desenvolvimento, ,gostaria de deixar um abraço a todas da equipe e agradecer mesmo do fundo do meu coração pela dedicação e amor , com o qual foi preparado este vídeo muito obrigada e continuem neste sucesso ,vocês eram o que faltava para nos ajudar, bjs fiquem todos com DEUS

    • 8
      Patrícia Marinho

      Oi Marlene, obrigada pelo carinho. Ficamos muito felizes em saber que o nosso conteúdo consegue ajudar de alguma forma. Beijo grande para você e para a Alycia!

  3. 9
    Ellen

    Sou estudante e coordenadora de um berçário em São Paulo e me entristeço muito ao ler esse tipo de coisa, respeito a educação e escolha que cada um faz para seus filhos mas não posso deixar de alertar/ falar sobre isso.. Vamos parar de super estimular os bebês, cada um tem o seu tempo e seu momento. Deixe que ele escolha quando o fazer, não queira fazer por ele, só faz mal.. Leiam mais sobre Emmi Pikler :) Bjs

    • 10
      Patricia Camargo

      Oi Ellen, tudo bem? Obrigada pelo seu comentário. Conhecemos sim a Abordagem Pikler na educação do bebê e temos o cuidado de ter em mente não só esta, mas também outras abordagens em educação infantil – como a Montessoriana – em nossos posts, mesmo não sendo especialistas no assunto. É de Pikler, por exemplo, que trabalhamos muito em nossos posts para bebês que a hora dos cuidados também é um momento para as crianças aprenderem. Não pensar em atividades como amamentar, trocar fraldas, trocar as roupas — atividades que se faz “para o bebê” — mas sim em atividades com ele, é uma maneira de desenvolver sua autonomia. Também cuidamos para nos nossos posts valorizarmos brinquedos caseiros e brinquedos que permitam que a criança experimente, descubra, invente. Você já chegou a ler sobre Cantinhos em nosso blog?

      Também sabemos da importância de cada bebê ter seu ritmo e conversamos exaustivamente com nossos leitores sobre isso, até para evitar, por exemplo, a natural comparação dos pais com relação aos seus filhos e outras crianças. Particularmente neste post sobre incentivar a andar, deixamos claro que “Vale dizer que todas essas atividades só foram feitas depois que a Gabi já tinha passado pelos estágios anteriores do desenvolvimento motor, que você pode conhecer e acompanhar na séries de posts sobre o Desenvolvimento do Bebê. Nada de antecipar passos e querer que a criança ande antes da hora, ok?” justamente porque sabemos que uma brincadeira, uma atividade ou um estímulo só precisam acontecer a partir da motivação da criança e desde que permitamos que a criança tenha tempo, espaço e objetos que permitam sua curiosidades e desenvolvimentos naturais.

      Obrigada novamente e espero que nossos posts possam ser úteis de alguma forma a você.

    • 12
      Patrícia Marinho

      Bruna do céu! Mil desculpas pela demora. Só agora vi que tinha esse se comentário pendente. Acabei de incluir vc na nossa lista de email. Agora você receberá notícias nossas semanalmente. Espero que goste e aproveite.
      Grata,
      Patrícia

  4. 13
    Fabiana

    Amo suas dicas! Tenho dois filhos muito adiantadinhos. O primeiro, Davi, tem seis anos e aprendeu a engatinhar e andar muito cedo, sempre incentivamos a independência dele, fomos amplamente criticados quando ele quis aprender a ler e escrever e o ensinamos. Hoje, tenho outro menino de 6 meses, Jonas. Com três para quatro meses ele já sentava sem apoio, com cinco meses ele começou a ficar de pé apoiado no sofá, daí começou a andar apoiado no sofá e nos móveis da casa. Agora, no alto dos seus seis meses, ele fica em pé sem segurar em nada. É por alguns segundos, não forçamos a barra. Ele também balbucia algumas palavras, aprendeu a bater palmas e, ás vezes, quando está com vontade, dá tchau. Acredito que devemos seguir o ritmo de cada criança. Novamente somos criticados, mas não forçamos o desenvolvimento deles, seguimos apenas o que eles mostram para nós que já são capazes de fazer. Obrigada por suas dicas.

+ Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.