A brincadeira perfeita


A cada 15 dias, publicamos aqui no blog Tempojunto posts bem bacanas que escrevemos para o blog do Instituto Pensi, do Hospital Infantil Sabará, que é uma referência em pediatria aqui de São Paulo. Desta vez, eu (a Patcamargo) escrevi sobre sermos perfeitos ao brincar e encontrarmos a brincadeira que se enquadra em qualquer situação: a brincadeira perfeita.

Aha! Se você achou que eu iria escrever sobre aquela brincadeira perfeita, que funciona faça chuva ou sol, com 1, 3 ou 5 filhos, meninos e meninas de 0 a 10 anos, se enganou!

Neste post de hoje, que é quase um desabafo, eu quero deixar claro que não existe a brincadeira perfeita. Como não existe o brinquedo perfeito. E, acima de tudo, não existem pais brincantes perfeitos.

Durante todo este tempo que tenho escrito no blog, tenho dado dicas para vocês aproveitarem melhor o tempo disponível com os filhos. Também tenho repetido várias vezes como o brincar é importantíssimo para seus filhos e para você, que já é adulto.

Mas mesmo que você tenha seguido tudo, dica por dica, sugestão por sugestão, certamente em algum momento uma brincadeira vai dar errado. Seja porque a criança não dormiu direito e está irritada, ou alguém está de mal humor, com calor, com frio, cansado, com preguiça, ou porque simplesmente a brincadeira não “pegou”.

Diante disso, você pode:

(a) se irritar e gritar com todo mundo

(b) se chatear e parar de vez com “esse negócio de brincar”

(c) se entristecer e achar que nada com você funciona

sabara_quando_nao_da_certo

Ou aproveitar o momento para respirar fundo e:

1 – Saber que as brincadeiras funcionam diferente dependendo que quem está brincando, do lugar e do momento.

2 – Aceitar que você é gente, seu filho também é gente e ninguém é uma “máquina de brincar” o tempo todo.

3 – Entender que a brincadeira que não funcionou hoje, pode funcionar amanhã ou daqui há um ano.

4 – Ter jogo de cintura para partir para outra brincadeira rapidinho.

5 – Ter a sabedoria de deixar que este momento passe, simplesmente como um aprendizado.

6 – Rir do que aconteceu, transformar o momento em uma história engraçada para contar aos amigos e a seus filhos quando eles crescerem.

7 – Tocar em frente e planejar a brincadeira de amanhã.

É isso. Sem frustrações, sem estresse e sem culpa, ok?

Bom, essa foi a nossa dica de hoje. Espero que você tenha gostado. Se sim, aproveite para se inscrever na nossa lista de email. Você vai receber toda semana nossa newsletter com tudo, tudo que publicamos aqui no blog e ainda algumas informações exclusivas!

+ Seja o primeiro a comentar

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.