Importância do brincar na visão da Unicef – entrevista com Carolina Velho


Começamos maio com uma  entrevista muito especial com a consultora na área de Sobrevivência e Desenvolvimento Infantil do UNICEF, Carolina Velho. Nada melhor que uma entidade deste patamar para conversar conosco sobre a importância do brincar.

photo

Desde 1946, o Fundo das Nações Unidas para a Infância é um órgão das Nações Unidas que tem como objetivo promover a defesa dos direitos das crianças, ajudar a dar resposta às suas necessidades e contribuir para o seu desenvolvimento. Presente no Brasil desde 1950, o Unicef lidera e apoia algumas das mais importantes transformações na área da infância e da adolescência no País, como as grandes campanhas de imunização e aleitamento, a aprovação do artigo 227 da Constituição Federal e o Estatuto da Criança e do Adolescente, o movimento pelo acesso universal à educação, os programas de combate ao trabalho infantil. 

Leia só o que disse a Carolina:

Importância do brincar na visão da Unicef - Carolina Velho

1. A brincadeira pode ser vista como uma ferramenta de vínculo entre pais e filhos?

A brincadeira é, sem dúvida, a grande ferramenta! Pais que brincam com filhos criam vínculos afetivos e laços de amor, além de desenvolver na criança todos os estímulos que estão envolvidos no brincar como a cooperação, amizade, linguagem, criação.

2. Qual a importância da brincadeira para o desenvolvimento da criança?

A brincadeira é um grande guia para o desenvolvimento da criança. A brincadeira contribui com o aprendizado. O jogo simbólico ou faz-de-conta, por exemplo, é a ferramenta para a criação da fantasia, para a autonomia, a criatividade, a exploração de significados e sentidos. Atua sobre a capacidade da criança de imaginar e de representar. A imaginação contém regras de comportamento. Ainda que o faz-de-conta não seja uma brincadeira com regras, ele traz em si uma dinâmica onde a criança submete-se às regras do que imaginou. Se ela brinca de ser mãe, por exemplo, submete-se às regras do comportamento materno.

É no brincar que a criança passa a compreender as características dos objetos, seu funcionamento, os elementos da natureza e os acontecimentos sociais, perceber as diferentes perspectivas de uma situação. Isso tudo é aprendizagem, que vai contribuindo para o desenvolvimento cognitivo, social, afetivo, motor.

3. Por que é importante “apostar” na primeira infância, ou seja, dar atenção devida ao desenvolvimento da criança nesta fase?

Os seis primeiros anos são essenciais para o desenvolvimento da criança. As primeiras experiências são incorporadas e ficam fisicamente e emocionalmente registradas na criança.

4. Eu vi pelo Facebook que o Unicef também leva a brincadeira para as crianças em países em desenvolvimento. Como o Unicef trabalha o brincar para estas crianças?

No UNICEF, metodologias lúdicas são adotadas principalmente em situações de emergência. Além disso, o UNICEF atua em parceria com os governos em diversas frentes. No Brasil, por exemplo, o UNICEF atua com o Ministério da Educação produziu o material Brinquedos e Brincadeiras de creches. http://bit.ly/1MG95nf

Brinquedos e brincadeiras

5. Qual o papel dos pais no incentivo do brincar das crianças?

O papel dos pais é essencial. Eles devem, não apenas incentivar e ensinar novas brincadeiras, mas também brincar com a criança,  dando espaço para que a brincadeira aconteça em casa.

Outro ponto importante é que os pais precisam compreender, por exemplo, que a escola da educação infantil é espaço em que a brincadeira precisa acontecer cotidianamente. O brincar está no eixo do currículo de educação infantil e a brincadeira precisa  estar assegurada nas creches e pré-escolas. Assim teremos maior qualidade nas ações dentro da creche e pré-escola, ajudando a garantir o bom desenvolvimento das crianças.

6. É possível termos um mundo mais brincante?

Sim, é muito possível! Mas para isso nós, adultos, precisamos compreender que brincar é coisa séria! Precisamos entender que temos um papel sócio-histórico afetivo! Precisamos resgatar, como e do que brincávamos, e estar dispostos também a aprender as novas brincadeiras, ou seja, o que as crianças gostam de brincar na atualidade.

Brincadeiras de rua - - crianças se divertindo

Bóra fazer deste mundo um mundo mais brincante!

 

Se você gostou dessa entrevista e não quer perder nenhuma novidade do Tempojunto, faça parte do nosso grupo da newsletter. É gratuito e você recebe nossas atualizações semanalmente em seu e-mail.

2 Comments

Comente
  1. 1
    ENY sOUTO MAIOR GOMESES

    O texto procede no sentido da relação entre a teoria e a prática e só incentiva as instituições a levarem mais a sério que o brincar vai muito mais além do que já se sabe (Desenvolvimento integral da criança da EI.

+ Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.