Um dia de brincar do contrário para tornar tudo mais emocionante


Sempre que viajamos ou estamos na casa de alguém, eu preparo algumas dicas de brincadeiras para meus filhos. Mesmo mais velhos, eles ficam entediados e acabam, como qualquer criança, querendo “fazer alguma coisa”. Brincar do contrário é uma destas sugestões que você faz em qualquer lugar: da sala de espera, até a casa dos parentes; na viagem ou num dia de chuva.

Brincar do contrário tem inúmeras variações. Eu fiz duas recentemente em uma viagem com as crianças e deram muito certo. Eu me diverti muito com minhas filhas, de 7 e 6 anos, a Cururuca e a Potcho.

Minha inspiração veio da revista YOYO, ou Yoyozine. Ela é uma produção super bem feita, com ideias bem criativas para passarmos um tempo junto ótimo com os filhos.

Jogo dos 7 erros ao contrário

E edição mais recente da revista trouxe o tema de “avesso” ou “do contrário”. Em casa, meus filhos curtem muito o personagem Do Contra, da Turma da Mônica.

Volta e meia, fazemos um jogo em que tudo o que falamos precisa ser entendido ao contrário. Só este jogo de palavras, além de divertido e simples de fazer em qualquer lugar, já estimula o raciocínio da gente. Vira até código secreto entre nós, para enganar as pessoas rsrsrs.

Por isso, propor brincar do contrário com as crianças é certeza de sucesso por aqui.

Então, comecei com a dica da revista do Jogo dos 7 Erros ao Contrário. Eu nunca tinha visto e me chamou a atenção.

O tabuleiro dos 7 erros é este. O que temos que fazer é encontrar nestes desenhos diferentes, quais os sete detalhes iguais.

Olha, precisou de bastante observação, concentração e metodologia de todos nós para encontrarmos tudo.

Caretas alegres e bravas

Aproveitando que estávamos gostando da ideia do contrário, resolvi propor desenhar aquelas caretas que você olha de um lado e está alegre e virando de ponta cabeça, fica triste ou brava.

A gente nunca tinha brincado de desenhar assim em casa, até porque meus filhos eram pequenos ainda para terem esta noção. Mas com a ajuda de alguns exemplos (que eu tirei da Yoyo), fizemos nossas tentativas.

A Cururuca já pegou logo o espírito e foi testando. Eu comecei o meu e percebi que a tarefa é mais difícil do que eu imaginava. Precisa ter uma noção do que você quer fazer antes de sair desenhando.

Olha só nosso resultado. Eu achei muito bom!

Variações sobre o tema

As meninas gostaram tanto da história que resolveram variar o tema e fazerem outros desenhos com duas faces. A Cururca fez uma aranha-gato e a Potcho criou sua própria versão de coelho encantado e menina fofa, como ela chamou.

Eu queria encerrar o post fazendo uma última observação sobre o desenho acima. Enquanto uma das minhas filhas segue mais o “padrão” do que a gente se propôs a desenhar, a outra tem mais imaginação e foge das regras tradicionais para criar suas obras. Qual desenho está mais certo? Ambos.

Esse é meu recado final. Procure observar como seus filhos resolvem o que lhes é proposto. Entenda o processo de pensamento deles. E especialmente no campo de artes ou ciência (e até matemática, viu?) os caminhos para chegar a um resultado podem ser diversos. E os resultados podem ser surpreendentemente criativos, se nós, adultos, sairmos da nossa “caixinha” de pensamento tradicional.

Valorize as conquistas e trabalhos do seu filho, a partir da perspectiva dele.

Tem muitas outras dicas de brincadeiras que você pode fazer com seu filho em inúmeras situações do seu dia a dia. Te convido a explorar um pouco mais nosso blog. Ou então, a inscrever-se na nossa newsletter. Ela é gratuita e enviamos uma vez por semana um email com todas as nossas dicas.

+ Seja o primeiro a comentar

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.